AGENDA INFORMAÇÕES

>

"Vida" de Jéssica Burrinha - Terminal B
09/02/2019, sábado - 15/03/2019, sábado
Mercado Municipal 1.º de Maio, Barreiro O Convento de Madre Deus da Verderena é uma estrutura conventual relevante no contexto da arquitectura religiosa na margem sul do Tejo. A sua construção remonta ao século XVII. Insere-se perfeitamente na tipologia dos conventos Franciscanos Arrábidos, cuja regra a determinava as dimensões, a espacialidade, os materiais e os acabamentos. Seriam construções cruas, despojadas de ornamento, reflectindo os valores e princípios da ordem de S. Francisco de Assis. Os frades, seguidores desta Ordem Menor levavam uma vida monástica austera, enraizada com a terra, solitária e muitas vezes contemplativa.
O convite a Jéssica Burrinha para reflectir o lugar do convento surge agregado ao seu portefólio em escultura. São recorrentes as temáticas da natureza, as persistências da memória, os murmúrios e suspiros, a vida nas suas esculturas; traduzindo-se pela exploração das potencialidades e dos limites dos materiais, numa linguagem pura. Para esta peça, Jéssica Burrinha quer trazer a humildade e simplicidade dos valores franciscanos, moldando em terra e cal o gesto e o movimento do espaço, como metáfora de uma arquitectura que é imagem da ligação ao etéreo. Jéssica Burrinha nasce no Barreiro em 1993. Concluiu em 2016 a Licenciatura em Escultura, na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Em 2014, frequentou o curso de Formação Profissional de Workshops sobre séries em Faiança no CENCAL (Centro de Formação Profissional para a Indústria da Cerâmica), nas Caldas da Rainha. Já em 2017 frequentou o Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica de Lisboa, na temática, “Serralharia geral - soldadura e oxi-corte”, CENFIM, Lisboa. Começou a expor em 2015, contanto no currículo com diversas exposições coletivas em diferentes regiões de Portugal. Destaca a participação em 2018 na ArtMadrid’18 - Feira de Arte Contemporânea, através da Galeria Arte Periférica, onde expôs a propósito do vigésimo quinto aniversário. Recebeu duas Menções Honrosas, uma no concurso Mertolarte, em 2016, e outra em Salvaterra de Magos, na II Edição do Prémio Infante D. Luís às Artes e o segundo prémio do Concurso Mertolaarte 2018, em Mértola. São recorrentes as temáticas da natureza, as persistências da memória, e os suspiros de vida nas suas peças, traduzindo-se pela exploração das potencialidades e dos limites dos materiais, quase sempre no seu estado mais cru. > Encontrar Jéssica Burrinha > Encontrar o evento